Carcinoma basocelular sólido: tudo o que você precisa saber

O carcinoma basocelular sólido é um tipo de tumor maligno, o qual se origina nos tecidos epiteliais. No entanto, ainda existe muita desinformação a respeito desse assunto.

Por mais que esse seja um dos tipos de câncer mais comuns, ainda assim há pessoas que têm dúvidas a respeito dos seus riscos.

Os tecidos epiteliais são os responsáveis por envolver e alinhar os órgãos dentro do corpo, bem como organizar as cavidades internas e dos tecidos glandulares.

Além de ser o câncer de pele mais comum, muitas das vezes ele pode ter uma certa associação com tumores nas mamas e pele.

Então, através desse artigo, iremos falar tudo o que você precisa saber sobre os carcinomas, bem como os seus principais tipos e tratamentos.

Quais são os tipos de células epiteliais?

Em suma, o tecido tem a função de proteger, absorver e revestir o nosso organismo. Além disso, também tem função de secreção e sensorial. Além disso, esse tecido se divide em dois tipos:

  • Epitélio de revestimento;
  • Epitélio glandular.

No entanto, em relação ao de revestimento, ainda é possível classificá-lo em duas formas distintas: número de camadas celulares ou por conta do formato das células que compõem o tecido.

Classificação do tecido epitelial segundo as camadas celulares

A classificação ocorre da seguinte maneira:

  • Simples: quando apenas há uma camada de célula;
  • Estratificado: quando há presença duas ou mais camadas;
  • Pseudoestratificado: quando tem apenas uma camada de células, mas tem tamanhos distintos. Assim, dá a impressão de que tem mais camadas.

Classificação do tecido epitelial segundo o tipo de células

Nesse caso, a classificação se ocorre da seguinte maneira:

  • Epitélio cúbico: quando elas possuem o formato de cubo;
  • Epitélio colunar: quando as células são alongadas;
  • Epitélio escamoso: quando há células achatadas;
  • Epitélio de transição: quando há variação de tamanho, de acordo com o local ou órgão.

Qualquer uma dessas células pode ser afetada pelo carcinoma, o qual tem origem nas células basais, mas que pode variar em relação à sua gravidade.

Exemplo de carcinoma basocelular sólido
Exemplo de carcinoma basocelular sólido

Quais são os tipos mais comuns de carcinoma?

Além do carcinoma basocelular sólido, há outros tipos que o paciente pode desenvolver, sendo que cada um detém características distintas.

O carcinoma basocelular pode sim ter chances de cura bem elevado, mas o médico precisa investigar qual é o tipo. Dentre eles, citamos os seguintes:

Carcinoma basocelular

Nada mais é que o tipo mais comum entre todos os diagnósticos de câncer de pele, sendo que ele tende a possuir um crescimento menos agressivo e mais lento.

Além disso, costuma ser o mais prevalente entre os tumores nos tecidos epiteliais, sendo que o seu principal fator de risco é a exposição solar e alta prevalência de radiação ultravioleta.

No entanto, há outras causas para esse tipo de câncer, como algumas questões genéticas ou uso de medicamentos imunossupressores, também.

Carcinoma basocelular sólido tudo o que você precisa saber
Carcinoma basocelular sólido tudo o que você precisa saber

Carcinoma epidermoide

Esse é outro tipo de carcinoma que também pode afetar a pele, mas há outras partes do corpo que também podem sofrer desse problema, bem como:

  • Colo do útero;
  • Pulmão;
  • Ânus etc.

Qual é o carcinoma mais comum no Brasil?

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer mais prevalente no Brasil é não melanoma, que inclui o carcinoma basocelular sólido e epidermóide.

De acordo com os dados do INCA, esses tipos de câncer representam por volta de 30% de todos os tumores malignos no país.

No entanto, a boa notícia fica pelo fato de que o câncer de pele não melanoma tem um grande índice de cura, desde que o paciente descubra de forma precoce.

Em contrapartida, quando há demora para receber o diagnóstico ou quando existe um tratamento inadequado, pode acabar deixando mutilações no paciente.

Nesses casos, para poder reverter a situação, o paciente pode procurar por tratamentos faciais a fim de reverter o problema.

Tudo isso só ocorre porque, quanto maior é a demora para fazer a remoção, mais o tumor irá crescer. Por consequência, a área em que se precisa fazer a remoção é maior, algo que gera grandes danos.

Quais são os sintomas do carcinoma basocelular sólido?

Na verdade, o carcinoma basocelular sólido tende a apresentar uma aparência um pouco diferente da pele normal.

Além disso, as lesões tendem a aparecer nos locais que mais são expostas ao sol. Agora, dentre os sintomas mais comuns, citamos os seguintes:

  • Podem sangrar com muita facilidade;
  • Tende a formar crostas e vazar um líquido;
  • Tem aparência perolada, como se fosse coberto de cera;
  • Ferida que não cicatriza.

Se porventura você notar qualquer uma dessas características, não deixe de procurar um médico o quanto antes, a fim de que ele possa iniciar o tratamento o quanto antes.

Quais são as causas do carcinoma basocelular sólido?

A principal causa do carcinoma basocelular sólido é a alta incidência de luz solar e de raios ultravioleta. Por isso, pessoas que moram em locais mais quentes, como Rio de Janeiro, podem ter um pouco mais de chances de desenvolver esse problema,

No entanto, pessoas que se submetem a procedimentos com fontes artificiais, como câmaras de bronzeamento, também se tornam suscetíveis, uma vez que os raios UV danificam o DNA do interior dessas células.

Sendo assim, uma das maneiras de evitar esse problema é justamente usando um protetor solar com fator de proteção adequado ao seu tipo de pele.

Como é o tratamento para o carcinoma basocelular sólido?

O carcinoma basocelular é o tipo de câncer mais comum e que, portanto, também possui um tratamento bem avançado.

No entanto, é interessante saber que o tratamento de cânceres do tipo carcinoma variam muito da sua localização e do seu tipo.

Afinal de contas, os diferentes tipos de epitélios têm características mais específicas, sendo que respondem melhor a diferentes tipos de terapia.

No entanto, a cirurgia micrográfica de Mohs é o tratamento mais comum, uma vez que confere maior segurança e precisão.

Como o intuito é remover por completo a lesão, o tratamento costuma ser sempre cirúrgico, mas a técnica pode variar de acordo com alguns fatores.

Agora, se o câncer tiver chances de metástase, o médico pode sim indicar um tratamento do carcinoma basocelular auxiliar, bem como:

  • Quimioterapia;
  • Radioterapia;
  • Terapia fotodinâmica etc.

Referências

What Is Carcinoma? Disponível em:
https://www.webmd.com/cancer/what-is-carcinoma#091e9c5e80d1de06-1-2

Câncer de pele não melanoma. Disponível em:
https://www.gov.br/inca/pt-br/assuntos/cancer/tipos/pele-nao-melanomaTecido epitelial. Disponível em:
https://editora.pucrs.br/edipucrs/acessolivre/livros/atlas-de-histologia/tecido-epitelial.html

Blog Especialista em câncer de pele Dr. Bones Jr.
Dr. Bones Junior

O Dr. Bones Jr. é graduado em Medicina pela Universidade Federal de Goiás e especializado em Dermatologia há mais de oito anos. Ele oferece atendimento e tratamentos humanizados, com técnicas de última geração, incluindo a especialização em Mohs, para proporcionar uma consulta dermatológica completa e eficaz.

Phone
WhatsApp
WhatsApp
Phone