Carcinoma basocelular é perigoso?

Aqui no Brasil, os problemas de pele vem se tornando cada vez mais comuns, haja vista que muitas pessoas nem sequer tomam os devidos cuidados.

Em vista disso, muitos costumam se perguntar se o carcinoma basocelular é perigoso. No entanto, para entender sobre esse assunto, há algumas coisas que você deve considerar. É sobre isso que iremos falar a seguir.

O que é carcinoma basocelular?

Em suma, o carcinoma basocelular é o tipo mais comum de câncer de pele, o qual causa o aparecimento de um pequeno tumor.

As suas características podem depender de algumas questões. Mas, no geral, costuma aparecer em forma de mancha vermelha, sendo que cresce ao longo do tempo, caso não haja tratamento.

No entanto, os carcinomas basocelulares raramente se espalham para outras regiões do corpo, mas costuma atacar apenas as camadas da pele.

Por consequência, isso faz com que as suas chances de cura sejam ainda maiores, já que o médico consegue eliminar as células cancerosas com mais facilidade.

Diante disso tudo, muitas pessoas tendem a se perguntar se o carcinoma basocelular é perigoso. Quanto a esse respeito, é preciso ter certos cuidados.

É verdade que o seu índice de cura é bem alto, mas para que isso aconteça é importante que o paciente tenha um diagnóstico precoce.

Afinal de contas, caso o paciente não descubra a tempo, pode sim acontecer de a lesão se desenvolver tornar um pouco mais grave.

Por isso, pessoas acima dos 40 anos, em especial de pele mais clara, precisam fazer consultas regulares, a fim de garantir o bem-estar.

Carcinoma basocelular é perigoso
Carcinoma basocelular é perigoso

O carcinoma basocelular é perigoso?

 A princípio, o carcinoma basocelular não é perigoso, uma vez que o médico pode diagnosticar o problema e já iniciar o tratamento precoce.

Nesse caso, as chances de cura são bem altas. Inclusive, cerca de 3 a cada 4 cânceres de pele são do tipo carcinoma.

Além do mais, a sua mortalidade é bem baixa, uma vez que não chega nem a 2%. Então, se você foi diagnosticado com esse problema, saiba que ele não é tão perigoso.

No entanto, trata-se de um tumor localmente agressivo, uma vez que ele pode danificar as camadas da pele e ainda invadir os tecidos adjacentes.

Mas, se formos comparar com outros tipos de câncer, ele é bem menos perigoso, já que também possui um baixo potencial de metástase.

Estima-se que menos de 1% de todos os casos do carcinoma basocelular são capazes de afetar outras regiões do corpo.

Entretanto, isso não quer dizer que o paciente com carcinoma pode postergar o tratamento, mas bem pelo contrário.

Afinal de contas, isso pode fazer com que a lesão se torne cada vez maior, aumentando os riscos de metástase.

Inclusive, quanto maior for a lesão, maior será a área de remoção, o que pode resultar na desfiguração. Por consequência, o paciente pode ter que recorrer a tratamentos faciais.

Quais são as causas do carcinoma basocelular?

A principal causa com certeza é a exposição solar, haja vista que os danos causados pelos raios ultravioletas podem causar alterações em seu DNA.

Isso irá fazer com que as células passem a se desenvolver de maneira desordenada, causando o carcinoma.

Mas como exatamente isso acontece? Quanto a isso, você deve entender que a nossa pele é formada por três camadas:

  • Epiderme;
  • Derme;
  • Hipoderme.

De todas elas, a camada mais superficial é a epiderme, que chega a ter 1,5 cm de espessura nas áreas de pele mais grossas, como na sola do pé e na palma da mão.

Além disso, a epiderme se subdivide em 5 camadas, sendo que a mais profunda são as células basais, as quais se multiplicam de forma constante, a fim de gerar novas células.

Dessa forma, à medida que essas células velhas se desprendem, elas também descamam, onde as novas ocupam o seu lugar.

Entretanto, quando essas células perdem as suas características originais, por conta da exposição e radiação solar, elas acabam crescendo de forma desordenada.

Por consequência, acaba gerando o carcinoma basocelular, que pode se tornar perigoso se não houver o devido tratamento.

Quais são os principais fatores de risco para o carcinoma basocelular?

 Exemplo de Carcinoma basocelular, sabia se é perigoso
Exemplo de Carcinoma basocelular, sabia se é perigoso

O fator de risco primordial é a exposição solar e aos raios UVA e UVB. Afinal de contas, as ações dos raios podem agredir o DNA das células basais, algo que irá desencadear lesões, facilitando o câncer de pele.

No entanto, pessoas muito brancas, com olhos claros e naturalmente ruivos ou loiros, também possuem mais chances de ter esse problema.

Pessoas que fazem bronzeamento artificial ou que moram em locais tropicais também possuem mais chances de ter esse problema.

Além de tudo isso, pessoas que fazem uso de remédios imunossupressores, se expõem ao arsênio ou demais componentes químicos mais pesados.

Pessoas que possuem alguma disposição genética, como histórico familiar de pessoas com câncer, também possuem mais chances de desenvolver esse problema.

Fora isso, todas as pessoas que já tiveram carcinoma basocelular, por mais que já tenham sido curadas, precisam redobrar a sua atenção.

E isso acontece devido ao fato de as chances de o tumor recidivar é de cerca de 40% maior do que para o restante da população.

Quais são os principais sintomas do carcinoma basocelular?

Na grande maioria das vezes, esse tipo de câncer se desenvolve em áreas do corpo que estão mais expostas à luz solar, como o pescoço, rosto etc.

Nesse caso, os sintomas mais comuns são os seguintes:

  • Leve protuberância na pele, de cor esbranquiçada;
  • Pequenos vasos sanguíneos visíveis a olho nú;
  • Ferida que não cicatriza;
  • Lesão que sangra facilmente;
  • Mancha marrom ou vermelha que aumenta com o tempo.

A qualquer sinal de um desses sintomas, procure por um médico dermatologista o quanto antes, a fim de que ele possa avaliar o seu caso.

Inclusive, caso haja suspeitas de câncer, o médico deve fazer uma biópsia, a fim de remover o tecido da lesão e observar se há células cancerígenas.

Se porventura a mancha na pele tiver bordas irregulares, for irregular ou ainda ser assimétrico e crescer muito rápido, pode indicar um caso de melanoma.

Quais são os tipos de carcinoma basocelular?

Para saber se o carcinoma basocelular é perigoso, você precisa entender sobre os tipos existentes, haja vista que cada um deles possuem características distintas.

Então, dentre os tipos de carcinoma basocelular, podemos citar os seguintes:

  • Carcinoma basocelular nodular: trata-se do tipo mais comum de câncer, o qual tende a afetar a pele do rosto. Na maior parte das vezes, aparece como uma ferida no centro de alguma mancha vermelha.
  • Carcinoma basocelular superficial: ele afeta, em especial, áreas do corpo como as costas e o tronco. Inclusive, muitas pessoas podem confundir com eritema na pele ou vermelhidão.
  • Carcinoma basocelular pigmentado: apresenta manchas mais escuras, sendo que é o mais difícil de distinguir de um melanoma;
  • Carcinoma basocelular infiltrativo: esse carcinoma basocelular é perigoso, uma vez que ele pode atingir outras áreas do corpo.

Para diferenciar cada um dos carcinomas, o médico precisa avaliar com mais detalhes, mas pode ser um tanto difícil de fazer isso.

Como é feito o tratamento para carcinoma basocelular?

Para que o paciente possa conseguir a cura total, a melhor forma de tratar o carcinoma é por via cirúrgica, que é como o médico consegue eliminar por completo a lesão.

No entanto, para chegar nesse resultado, o médico pode optar por diferentes técnicas, sendo que a mais comum é a cirurgia micrográfica de Mohs.

Isso acontece devido ao fato de ser um método mais preciso e seguro, tanto para o médico quanto para o paciente.

No entanto, há vezes em que o tratamento tem como base aplicação de frio, na região da lesão. Nesse caso, o intuito também é impedir com que eles se desenvolvam.

Depois do tratamento, o ideal é que o paciente faça algumas consultas de revisão, onde o intuito é fazer exames de rotina para avaliar se o câncer ainda está crescendo ou não.

Se porventura a cirurgia não for o suficiente para tratar o carcinoma, o médico pode indicar algumas sessões de radio ou quimioterapia.

Nesse caso, o intuito é de atrasar a evolução das células cancerígenas, para evitar com que elas se multipliquem.

Como prevenir o carcinoma basocelular?

A melhor maneira de prevenir o carcinoma com certeza é evitar a exposição solar, em especial nos horários de maior incidência solar.

Mas, caso isso não seja possível, ao menos procure fazer uso de um protetor solar com fator de proteção pelo menos maior que 30.

Além disso, sempre faça uso de chapéus, óculos de sol, protetor labial com filtro solar e roupas que possuam proteção UV.

Referências

Câncer de pele. Disponível em:
https://www.inca.gov.br/assuntos/cancer-de-pele

Câncer de pele. Disponível em:
https://bvsms.saude.gov.br/cancer-de-pele/

Câncer de pele: uso de medidas preventivas e perfil demográfico de um grupo de risco na cidade de Botucatu. Disponível em:
https://www.scielo.br/j/csc/a/NsK4sGrVWcZFwzdSZ5w8w7B/?lang=pt

Blog Especialista em câncer de pele Dr. Bones Jr.
Dr. Bones Junior

O Dr. Bones Jr. é graduado em Medicina pela Universidade Federal de Goiás e especializado em Dermatologia há mais de oito anos. Ele oferece atendimento e tratamentos humanizados, com técnicas de última geração, incluindo a especialização em Mohs, para proporcionar uma consulta dermatológica completa e eficaz.

Phone
WhatsApp
WhatsApp
Phone