5 perguntas frequentes sobre carcinoma espinocelular

Outro câncer de pele não-melanoma é o carcinoma espinocelular. Também chamado de carcinoma de células escamosas, é um dos diferentes tipos de câncer que se desenvolve na pele.

Origina-se na camada superficial da epiderme e geralmente atinge áreas do corpo expostas ao sol, como rosto, orelhas, pescoço, lábios e dorso das mãos. Outra forma de desenvolvimento são cicatrizes antigas ou feridas crônicas em qualquer parte do corpo, incluindo os órgãos genitais.

Comparado ao carcinoma basocelular ele é bem menos incidente, apenas cerca de 20% de todos os cânceres de pele. Mesmo assim, muitas pessoas ainda possuem muitas dúvidas a respeito da doença.

Confira quais são as principais perguntas sobre o carcinoma espinocelular:

O que causa carcinoma espinocelular?

Na maioria dos casos, o aparecimento desse tipo de câncer está relacionado à exposição excessiva aos raios ultravioleta do sol.

Fumar, consumo não moderado de álcool, susceptibilidade genética, infecção causada pelo papilomavírus humano (HPV) e contato com substâncias químicas (como vapores tóxicos e ácidos) também podem causar esse tipo de câncer de pele.

Além disso, alguns fatores de risco podem estar relacionados ao aparecimento de carcinoma de células escamosas, como pele clara, olhos claros ou cabelos naturalmente ruivos ou loiros.

5 perguntas frequentes sobre carcinoma espinocelular
5 perguntas frequentes sobre carcinoma espinocelular

Qual a diferença entre carcinoma basocelular e espinocelular?

O carcinoma basocelular é o tipo de câncer de pele mais comum, correspondendo a 80% dos casos. Esses cânceres começam na camada mais profunda da epiderme, as células basais.  Em contrapartida o carcinoma espinocelular cobre abrange 20% dos cânceres de pele. Eles se originam da camada mais externa da epiderme.

O carcinoma espinocelular é o tipo mais grave?

Não, o tipo mais grave é o melanoma, porém dos cânceres de pele não-melanoma  representam 20% e pode levar a metástase, o que torna importante detectá-la em um estágio inicial.

Como tratar o carcinoma espinocelular?

O carcinoma de células escamosas é curável. Os dermatologistas determinam o método de tratamento com base no tamanho, profundidade, localização, gravidade do tumor e na saúde do paciente. Pode ser: cirurgia Mohs e convencional, crioterapia, laserterapia, radioterapia, quimioterapia e terapia celular.

A cirurgia de Micrográfica de Mohs é muito bem indicada para o tratamento de carcinoma espinocelular, pois essas lesões tem ramificações que podem ser detectadas durante a própria cirurgia, pelo microscópico. Proporcionando assim, uma chance maior de cura.

O carcinoma espinocelular pode se tornar um melanoma?

Não. Os cânceres são classificados com precisão em vários tipos porque vêm de diferentes estruturas corporais. O carcinoma espinocelular se origina de células epiteliais, o carcinoma de basocelular se origina de células basais e o melanoma se origina de melanócitos (células que formam pigmentos).

Blog Especialista em câncer de pele Dr. Bones Jr.
Dr. Bones Junior

O Dr. Bones Jr. é graduado em Medicina pela Universidade Federal de Goiás e especializado em Dermatologia há mais de oito anos. Ele oferece atendimento e tratamentos humanizados, com técnicas de última geração, incluindo a especialização em Mohs, para proporcionar uma consulta dermatológica completa e eficaz.

Phone
WhatsApp
WhatsApp
Phone